Início
Quem somos
Notícias
Fotos no Picasa
Fotos no Picasa 1
Fotos no Picasa 2
Fotos no Picasa 3
Blotequim
Fórum
Dicionário do Mar
Cachacinhas
Regras da Casa
Classificados
Links
Contato
 

 FeedRSS ExcerptsRSS 0.91 FeedRSS 1.0 FeedRSS 2.0 Feed
 
Dicionário Naútico

Dicionário de termos naúticos, por Abinael Morais Leal

O livro que encontra-se à disposição do público no site www.publit.com.br, pelo telefone 21- 2525-3936, Rio de Janeiro ou por email: aline@publit.com.br 

Buscar

Começa com Contém Palavra Exata
Vizualizar glossário

Todos | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


S
Há 48 termos neste glossário.
Páginas: 1
Termo Definição
S1. (Símbolo designado \'Síerra\'.) O Código Internacional de Sinais estabelece a representação desta letra por uma bandeira branca com um retângulo azul, ao centro; içada isoladamente, resume uma mensagem de atracação: \"Vou para trás com toda a força das máquinas.\" 2. Letra usada como abreviatura do ponto cardeal sul. 3. Segundo a Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, a letra \"s5, quando compõe a sinalização de atracação de embarcações que tenham pessoas em perigo a bordo, significa: \"É extremamente perigosa a atracação neste local.\"
 
SACADiz-se da onda que avança sobre a praia.
 
SAFAJR1. Desembaraçar a embarcação encalhada, recolocando-a em navegação. 2. Colher os cabos depois de uma manobra, deixando-os prontos para o uso da manobra seguinte. 3. Deixar os cabos claros à manobra. SAFRÃO. Diz-se da porta do leme.
 
SAíDA D’ÁGUAAbertura feita na parte mais baixa da borda falsa, para permitir o escoamento da água que se acumula no convés. Algumas possuem tampas articuladas para evitar a entrada de água do mar, só permitindo a passagem de água num sentido.
 
SALVA-VIDAS1. Coletes ou bóias de material flutuante, preferivelmente cortiça. Conforme recomenda o Regulamento para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, o salva-vidas deve ser maciço, nunca granulado ou em fitas; e a sua flutuabilidade não deve depender de compartimentagem de ar e sim do próprio material que o constitui. 2. Embarcação especial para operações de salvamento e resgate de náufragos. Dispõe de caixas de ar e quilha lastrada com chumbo, que lhe permitem flutuar mesmo cheio de água e endireitar-se sob o maior ângulo de inclinação.
 
SALVAGEMDireito sobre aquilo que se salvou de um navio naufragado. Diz-se, também, de uma antiga peça de artilharia.
 
SAVEIROBarco de casco afilado e comprido, de fundo chato, armado com um ou dois mastros e velas latinas, geralmente quadrangulares. Típico do litoral brasileiro nos estados nordestinos de Sergipe, Alagoas e, principalmente, na Bahia, onde é empregado no transporte e na pesca. Há saveiros muito pequenos e outros que chegam até vinte e 25 toneladas de deslocamento. No Rio de Janeiro, recebe o nome de Alvarenga e é usado, sem velas, no transporte de mercadorias. A regata de saveiros João das Botas é uma competição de saveiros realizada anualmente em Salvador, desde 1970.
 
SEGUIR1. Diz-se da movimentação de uma embarcação para a frente; andar; navegar. 2. Diz-se também quando a embarcação está em marcha ou em seguimento.
 
SEGURANÇA NO MARConjunto de procedimentos, conhecimentos que se destinam a garantir a integridade física dos navegantes. Compreendem, genericamente, a conservação de um equipamento mínimo a bordo; a prática de manobras próprias para a navegação, em caso de mau tempo, emborcamento, encalhe, abalroamento etc.; os conhecimentos que antecipam a necessidade de realizar essas manobras, como os que se referem à meteorologia e à previsão do tempo; a capacidade de determinar a própria localização, mediante o uso de cartas náuticas, de conhecimentos de navegação astronómica etc.; a comunicação, por meio de sinalização ótica e visual e do uso de aparelhos radiotelegráficos. Essas medidas são recomendadas ou, simplesmente, difundidas por autoridades internacionais - geralmente com base em regulamentação mundial, como a Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar - ou por entidades internacionais esportivas.
 
SEIOÁrea central de uma vela.
 
SEM COMPASSODiz-se do navio que tem o mesmo calado a vante e a ré, isto é, que tem quilha paralela a um plano horizontal. Diz-se, também, sem diferença, ou em águas parelhas.
 
SEMICABINADOEmbarcação a vela ou a motor dotada de uma cobertura pequena e baixa, que abrange mais ou menos a metade da extensão do poço, estendendo-se sobre uma pequena cabina fechada ou, simplesmente, sobre um espaço não compartimentado.
 
SEPARAÇÃO DE VOLUMESOperação que consiste na triagem de determinadas cargas, com o objetivo de separar, dentro de uma partida numerosa, pequenos lotes classificados por importador, por marcas ou por rótulos.
 
SERVIÇOS ACESSÓRIOSAqueles considerados serviços especiais de interesse do comércio da navegação, que possam ser prestados pela administração do porto, através do seu pessoal ou seu equipamento. São, por exemplo: verificação de peso; remoção de volumes; abertura de volumes para vistoria; repesagem de mercadorias; marcação e remarcação de volumes; empilhamento ou arrumação de mercadorias nos armazéns; operação adicional de carregamento, ou de descarga de vagões ou outros veículos estranhos ao porto, nas dependências portuárias; suprimento de energia elétrica às embarcações ou consumidor instalado nas dependências portuárias etc.
 
SERVIÇOS CONEXOS DE UM PORTOServiços de entrada e saída de cargas nos armazéns/pátios, envolvendo também ovação.
 
SERVIÇOS INTERNOS DE UM PORTOServiços internos de porto, inclusive plantões.
 
SIMULAR BANDEIRANavegar com a bandeira de outra nacionalidade para gozar das mesmas vantagens dos barcos da bandeira que arvora.
 
SINALIZAÇÃOConjunto dos símbolos ou sinais e dos equipamentos visuais, sonoros ou eletrônicos que os transmitem, destinado a veicular mensagens indicativas de emergência, de percurso, de orientação, de previsões meteorológicas etc. que garantem a segurança da navegação. Compreende bóias, bandeiras, lanternas, faróis, radiofaróis e buzinas, entre outros elementos.
 
SINGRADURA1. Jornada de navegação marcada das 12 horas de um dia às 12 horas do dia seguinte, para facilitar nos cálculos astronômicos; dia de mar. 2. Tempo total em dias despendidos no mar.
 
SLJN (TERÇO)Parte média da verga, sendo a verga uma peça de madeira ou de aço, fixada num mastro, que serve para receber antenas, luzes de navegação, Morse, adriças e bandeiras etc.
 
SOCARApertar com força um nó ou uma volta de cabo.
 
SOLIDEZ1. Propriedade do navio que deve ter toda a estrutura a fim de resistir aos esforços produzidos pelas vagas no balanço e na arfagem, pêlos pesos transportados a bordo e pela propulsão. 2. Resistência ao alquebramento e embates do mar agitado.
 
SOLITÁRIADiz-se da navegação na qual a pilotagem de um barco é feita por uma só pessoa, em recreio ou em competição, cumprindo percurso oceânico.
 
SOLUÇARMovimento longitudinal da embarcação ao levantar e mergulhar alternadamente a proa e a popa. O mesmo que arfar. (V. arfagem a arfante).
 
SOLUÇO1. Movimento do navio metendo a proa ou arfando. 2. O arfar do mar.
 
SONARDispositivo com que se detectam e localizam, mediante o eco de ultra-sons, objetos no seio do mar. É constituído por uma fonte de ultra-sons que emite pulsos convenientemente dirigidos. O eco da onda sonora é recebido e registrado, possibilitando a localização do objeto refletor. O espectro do pulso emitido pelo dispositivo está na maior parte na região dos ultra-sons, pois em geral opera-se numa faixa de frequência entre 5.000Hz e 50.000Hz.
 
SONDAInstrumento usado para medir a profundidade das águas ou reconhecer a natureza do fundo, e que em geral consta de um peso de chumbo preso a uma linha.
 
SOTAVENTOO ponto ou bordo do navio para onde sopra o vento. O lado oposto ao de barlavento. A sua sigla é SV.
 
STRADDLE CARRIER (ARANHA)Equipamento utilizado para estocagem dos containers no parque de estocagem, possibilitando a superposição de três containers. O síraddie carrier é um equipamento com boa modalidade, mas requer pavimentação especial na área em que tiver que operar.
 
SUBAMRINO CONVENCIONALSubmarino cuja propulsão à superfície se forma por meio de motores diesel e que, quando em imersão, é propulsionado através de motores elétricos alimentados por baterias.
 
SUBMARINO1. Embarcação capaz de navegar inteiramente imersa na água, e geralmente empregada como arma de guerra, para lançamento de torpedos, minas etc., e como meio de transporte de espiões. 2. É o tipo de navio de guerra destinado a operar submerso.
 
SUBMARINO ATÔMICOSubmarino cuja propulsão se faz por meio do emprego da energia atômica. O mesmo que submarino nuclear.
 
SUBMARINO NUCLEARO mesmo que submarino atômico.
 
SUBMERGIR1. Cobrir de água, mergulhar inteiramente em água, fazer sumir completamente na água, afundar. 2. Ir ao fundo.
 
SUBMERSÃOO abatimento do casco de cavalgadura, em resultado de pancada.
 
SUGADORTambém chamado sugador-chupa, é a denominação dada ao aparelho de sugador de cereais destinados aos moinhos. É um equipamento mecânico utilizado na movimentação de graneis sólidos e dotado de sucção pneumática.
 
SULCARAto ou efeito de cortar as águas, navegando.
 
SUNAMANSigla da Superintendência Nacional de Marinha Mercante.
 
SUPERESTRUTURA CENTRAL DE UM NAVIOAquela que está situada na região central do navio.
 
SUPERESTRUTURA DE UMA EMBARCAÇÃOConstrução feita sobre o convés principal, estendendo-se ou não de um a outro bordo e cuja cobertura é, em geral, ainda um convés.
 
SUPERFÍCIE DE FLUTUAÇÃOPlano horizontal que contém a superfície da água em que o barco flutua. É delimitada pela linha de flutuação - interseção entre a superfície da água e o contorno do casco - e perpendicular ao plano diametral do barco aprumado. O mesmo que plano de flutuação.
 
SUPRIMENTO DO APARELHAMENTO NÁUTICOForneci mento, a terceiros, do trabalho de guindastes, cábreas, bem como de outros equipamentos pertencentes às instalações portuárias, através da administração do porto, para a realização de serviços que não lhe tenham sido confiados.
 
SUPRIMENTO D\'ÁGUA ÀS EMBARCAÇÕESFornecimento de água potável às embarcações atracadas, através de canalizações do cais ou das pontes de acostagem.
 
SURDIR1. Aparecer na superfície da água. 2. Emergir.
 
SURGIDOURO1. Local onde ancoram os barcos. 2. Fundeadouro. 3. Ancoradouro.
 
SURRIADARespingos de água provocados pelo choque da vaga contra o costado das embarcações, pelo rebentar do mar no largo ou por efeito do vento. Esses respingos são transportados em gotas muito pequenas, semelhantes ao vapor de água.
 
SUSPENDER1. Içar a âncora, recolhendo a amarra, para o navio se mover ou navegar. 2. Arrancar o ferro do fundo e trazer a âncora para cima.
 
SUSPIRO1. Acessório instalado em uma canalização, compartimento, recipiente ou tanque de uma embarcação para permitir a drenagem de ar ou gases. 2. Acessórios instalados na parte superior de um tanque para permitir a saída do ar, quando o tanque da embarcação é cheio com líquido.
 


Todos | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Glossary V2.0



 

   

free counters
 
Nós temos 61 visitantes online